segunda-feira, 9 de maio de 2016

Cymbidium - como cultivá-la e fazê-la florir?

Essa semana postei uma foto de uma Cymbidium no meu instagram, e surgiu a ideia de falar sobre o gênero e seu cultivo.

Dica: quer se manter atualizado, me adiciona no instagram. Sempre aviso por lá quando publico coisas novas aqui (link na frase "meu instagram" acima) e me adicione na rede do google plus e do blogger em google friends connect - esses dois últimos com opção no menu lateral.

Com flores duradouras, entre 30 dias a 2 meses, podendo variar para mais ou para menos, a Cymbidium, orquídeas que para muitos é denominada de patinho feio, também é um gênero que agrada a muitos amantes das orquídeas.
Para mim, por exemplo, não só suas flores são lindas, como a sua folhagem também, o que não acontece com muitos gêneros e espécies de orquídeas.
Inclusive recentemente li uma reportagem, que não sei se é verídica ou não, mas mesmo assim quero compartilhar, que no Japão elas são usadas para enfeitar as casas durante todo o ano, estando floridas ou não.
Bom... muitos aqui sabem que já estive no Japão, mas como nunca entrei na casa de um japonês, não posso confirmar essa informação.
Em floriculturas de lá, vi vários gêneros, mas o que sempre tinha maior quantidade para vendas eram as do grupo Phalaenopsis.
É um gênero que oficialmente tem um número variado de espécies, havendo ainda discordância da quantidade exata, mas algo entre 44 e 70 espécies. Já em termos de híbridos*, que podem ser tanto naturais como artificiais (através do cruzamento intencional do ser humano), os números registrados ultrapassam a onze mil.
Nessa matéria irei abordar diversos pontos importantes para o cultivo, desde local, luminosidade, rega, adubação até o tipo de substrato.

Cattleya little leopard

* Híbridos, são cruzamentos de orquídeas de espécies diferentes, ou até entre gêneros. Quando cruzadas entre plantas do mesmo gênero, permanecem com o nome do gênero original. Exemplo de híbrido primário de Cattleya é o cruzamento da Cattleya clandiae com a Cattleya amethystoglossa, que gerou a little leopard, que não deixa de pertencer ao gênero Cattleya, portanto é Cattleya little leopard.
Quando esse cruzamento se dá entre gêneros, se cria um outro gênero, como é o caso da Brassocattleya, um híbrido gerado pelo cruzamento de uma Cattleya e uma Brassavola.
Mas essa explicação coloquei aqui só a título de curiosidade mesmo, então, vamos voltar a Cymbidium...


HABITAT
Bom... 
Na hora de comprar uma Cymbidium precisa-se estar atento ao tipo de clima de cultivo, pois existem espécies de clima quente (poucas) e espécies de clima frio.
Uma dica para descobrir as de clima quente são geralmente as que têm flores do tipo miniatura e suas hastes são pendentes. 
É importante ressaltar que, as de clima frio só irão florescer se estiverem em temperatura em torno de 10°C, dificilmente irão florescer em regiões quentes, como nordeste, por exemplo.
Apesar de gostarem de clima frio, não são muito tolerantes as geadas, portanto, proteja-as nestas épocas.
A preferência da maioria é pelo clima ameno de dia e temperaturas baixas a noite. Acredita-se que, é esse choque natural de temperaturas que favorece o surgimento das flores.
Pode dar um pouco de trabalho, mas se você já comprou uma Cymbidium de clima diferente da sua cidade, você pode fazer como alguns cultivadores, que dão um “choque térmico” ao anoitecer. É basicamente regar com água bem gelada, algumas vezes até pedras de gelo no cair da noite, e dar preferencia a utilização dos vasos de barro, pois se resfriam mais rapidamente.

ILUMINAÇÃO/ LUMINOSIDADE
Issa questão irá depender muito da espécie de Cymbidium que você tem, da intensidade do sol e da umidade do ar de onde você mora.
A maioria é de pleno sol, mas existem as que se desenvolvem melhor em sombreamento de 40% a 60%, como é o caso das cultivadas em regiões de sol muito intenso. 
Parece difícil, né? 
Mas não é se você souber exatamente a planta que você tem. Por isso, eu recomendo que sempre comprem plantas com placas de identificação, pois só com o nome você será capaz de ter certeza dos cuidados que deverá ter com a sua orquídea, seja ela Cymbidium ou não.
Só que aí vai mais uma dica..
Uma planta em local adequado possui folhas em tom de verde claro ou verde levemente amarelado. 
Caso as folhas estejam em tom verde escuro, provavelmente estão em local de baixa luminosidade, já as de folhas amarelas brilhantes ou com manchas, possivelmente estão recebendo excesso de luz.

REGA

A rega regular é recomendada, mas como muitos gêneros de orquídeas, elas também não gostam de estar constantemente encharcadas, geralmente o intervalo entre as regras é de uma semana, mas conforme a sua cidade ou a estação do ano, a quantidade de dias poderá variar para mais ou para menos. Mantenha-a úmida, mas nunca encharcada. E nada de pratinhos embaixo!
Outra recomendação minha é procurar, na hora da rega, sempre limpar as folhas de plantas que ficam em áreas externas, para evitar o acúmulo de poeira.
Mais uma dica boa e importante... quando você for aguar, faça isso abundantemente e observe o tempo que a água demora para sair pelos drenos (furos nos vasos), o ideal é que isso ocorra quase que imediatamente, se isso não acontecer é um grande indício de que a sua planta precisa ser replantada, ou seja, você terá que retirá-la do vaso, limpar o excesso de raízes e utilizar ou novo substrato ou esterilizar o antigo para reaproveitá-lo, pois pedriscos de rio, pedras britas e argila expandidas não se tornam ácidas com o tempo, como acontece com as cascas de pinus, por exemplo.
Quanto ao horário da rega... se optar em regar pela manhã, faça-o bem cedo, para que as folhas se sequem com o passar do dia e estejam completamente secas a noite, pois folhas com água no anoitecer podem deixá-la vunerável ao ataque de algumas doenças.
Já se você precisa fazer o “choque térmico”, isso obrigatoriamente deverá ser ao anoitecer, portanto cuidado para molhar apenas as raízes.
OBS: ela deverá ser replantada entre 2 a 4 anos, sempre após a queda total das flores e a haste desta secar. Após o replantio, use canela nas raízes cortadas e evitar molhar por 3 semanas

QUANTIDADE DE FLORES, HASTES E ÉPOCA DE FLORAÇÃO
Isso é outro ponto variável conforme a espécie, existe Cymbidium que podem ter de 1 a 3 flores e uma única haste floral, e outras que podem chegar a 60 flores e várias hastes florais.
As hastes podem ter de 10cm a mais de um metro de comprimento, e podem ser do tipo hastes eretas, semi-pendentes e pendentes.
Quanto a época de floração, ela ocorre uma vez ao ano, a maioria das espécies florescem naturalmente no inverno (no hemisfério sul - onde o Brasil está) e na primavera (no hemisfério norte), mas existem espécies que dão flor em outras estações.
A falta de floração está intimamente ligada a falta de luminosidade e a ausência do clima mais frio no cair da noite.

SUBSTRATO
Cymbidium pode ter espécies terrestres, rupículas (vivem em pedras) e epífitas (que vivem em árvores). 
Para saber o substrato ideal, saber o nome da espécie também é importante, mas se você não sabe, meu conselho para substrato é utilizar pedra brita lavada e esterilizada, pois assim você terá maior chance da sua planta se desenvolver bem, já que abrigará ao gosto de dois grupos: rupículas e epífitas, e para essas, a terra vegetal pode ser faltal, visto que a terra asfixia as raízes, e favorecem ao apodrecimento delas. 
Outras opções igualmente funcionais a brita são os pedriscos de rio e a argila expandida.

ADUBAÇÃO
Quando plantada em vasos,  e tendo em vista que a maioria dos substratos é neutra em nutrientes, a adubação se faz necessária.
Você pode optar por uma adubação orgânica, por exemplo com farinha de osso e torta de mamona (lembrando que cuidado com as crianças e animais, em virtude da toxidade).
Ou pela adubação química, particularmente sempre a minha opção, você pode usar, na época pré-floração (verão no hemisfério norte e outono no hemisfério sul, como no Brasil).
O NPK do tipo 10-5-15, 20-15-30... e por aí vai, é muito útil de se ter em casa. Quanto a numeração ela pode variar, o importante é que a maior proporção seja a de potássio (K), a menor proporção seja a de fósforo (P) e o nitrogênio seja balanceado entre os dois, sendo maior que a quantidade de fósforo e menor que a de potássio, como descrito nas duas fórmulas acima. Essa adubação é pré-floração, meses antes do inverno (hemisfério sul) e verão (hemisfério norte).
OBS: Estou colocando ambos os hemisférios pois tenho leitores de várias partes do mundo, e se eu colocar como referência somente para o Brasil, não irei ajudá-los, visto que estão em estações do ano inversas as nossas.
Já após a floração, deverá ser invertido a proporção entre nitrogênio e potássio, ou seja menos potássio e mais nitrogênio, isso para favorecer o crescimento da planta, já que ela não estará em época de floração, estará em processo vegetativo e depois de crescimento (época que surgem novas folhas e novas mudas). Nesse caso, o NPK poderá ser 15-5-10, 30-15-20 ou similares.
Além disso, ela precisará de outros nutrientes: cálcio (Ca), magnésio (Mg) e enxofre (S), dentre outros em menor quantidade.
Dificilmente um adubo vem apenas com os 3 macros nutrientes: fósforo, potássio e nitrogênio, leia a embalagem para saber sua composição.
Ah! E lembrando o que eu já disse aqui no blog anteriormente, Cálcio e enxofre são quimicamente incompatíveis, portanto você sempre precisará de ao menos dois tipos de adubos e intercalá-los, um com cálcio e outro com enxofre, pois não se pode conter na mesma embalagem cálcio e enxofre. O ideal é calcular de forma que a porção de adubo corresponda ao proporcional para um período de 15 dias, assim, a cada 15 dias você alternará os adubos.
Se por acaso você encontrar alguma embalagem em que ambos estiverem na fórmula, esse adubo não merece credibilidade.
OBS 1: Lembrando que, eu estudo muito sobre adubação e minhas fontes são baseadas em livros especializados, vendidos principalmente para cultivadores, sejam comprados no Brasil ou fora do País, portanto prefiro manter as informações que adquiro através dessas fontes, sem desmerecer nenhum site, pois acredito que muitos acabam por seguir a mesma preocupação que eu em fornecer informações o mais precisas possíveis e embasadas em estudos científicos.
OBS 2: Como eu sempre digo, mantenha o hábito de aguar bastante a sua planta antes de adubar para tirar vestígios da adubação anterior.
OBS 3: Evite adubos que contenham ureia, sim ela fornece nitrogênio, mas sem querer me prolongar muito, a absorção da ureia é mais lenta que a do nitrogênio livre de ureia.

ESTAQUIAMENTO
É recomendado que a haste, logo após formada, receba uma tutor, ou seja, uma estaca, para ampará-la, e evitar a sua quebra conforme o crescimento dos botões. 
Lembre-se de amarrá-la de forme leve. Você pode usar aqueles arames encapados tipo de amarrar saco de pão de forma, clipes de jardinagem, barbante...
Uma recomendação que eu faço é não reaproveitar as estacas de madeira (como aqueles palitos de churrasco), pois podem estar contaminadas, e se for estaca de arame encapado, recomendo esterilizá-la no caso de querer reaproveitá-la.

APÓS A FLORAÇÃO
Os botões caem e a haste começa a secar, isso é um processo natural. Para manter um aspecto limpo, corte a haste quando ela estiver complemente marrom. Sempre próximo a base e com uma tesoura esterilizada previamente.

BOTÕES CAINDO ANTES DE ABRIR
Isso é válido para a maioria das orquídeas... 
Indica, geralmente, mudança de ambiente. No gênero Cymbidium é mais certo ainda, se ela sair do ambiente que estava e for para outro com temperatura superior a 18°C, provavelmente a planta irá abortar os botões e você não verá as belas flores.

DIVISÃO DA PLANTA

Ao contrário das Laelia e Cattleya, por exemplo, que podem ser divididas em múltipos de três, o seja, cada nova planta deve ter pelo menos 3 pseudobulbos, a Cymbidium, para evitar que a planta sofra, deve ser dividida respeitando o número de 5 pseudobulbos por nova muda. Provavelmente plantas com menos de 4 pseudobulbos não irão florir no ano seguinte! Por isso, 5 é um número seguro para garantir lindas flores na próxima época de floração.

Fontes das imagens que ilustraram o meu texto: ebay, wikipedia english, toca do verde, fifty flowers, orchid care lady, not on the high street, oo.com, ali express e premium seeds.

14 comentários:

  1. Olá Cynthia!
    Você poderia publicar um post sobre Denphal? Ganhei uma e agora que a floração está terminando tenho muitas dúvidas, inclusive se devo mantê-la ou não no vaso e com substrato em que ela veio para mim. Suas postagens são muito elucidativas.
    Obrigada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ellen, pode deixar que farei sim. Irei tentar montar essa semana mesmo. Tenho várias Denphal, e com isso fica muito mais fácil montar as matérias. Bjs, Cynthia

      Excluir
    2. EU AGRADEÇO TAMBÉM CYNTIA POIS GANHEI UMA BRANCA E TAMBÉM VOU PRECISAR DE ORIENTAÇÃO PARA SABER O QUE FAZER DEPOIS DA FLOARAÇÃO , NO MOMENTO ESTÁ EM MINHA SALA ONDE RECEBE LUZ E SOL INDIRETAMENTE, ATRAVÉS DA JANELA DE VIDRO , MUITO OBRIGADA PELA ATENÇÃO.

      Excluir
  2. Desculpe, mas não concordo com as formulas de adubação, nomeadamente a questão do fósforo, que tem duas fases muito importantes: 1º logo após a plantação, ou divisão ou simplesmente transplante, em que a planta necessita muito por causa do densenvolvimento radicular e da prevenção de doenças, e melhoria do sistema vascular para a circulação da seiva; Em 2º lugar, na pré fase da floração, ou do aparecimento das hastes florais, pois o fósforo ajuda a florir e a conservar a flor. O Potássio tem muita importancia no tamanho da das flores e participa, também na formação dos açucares que alimentam a planta....etc....De qualquer modo a observação é muito importante, principalmente no que se refere à luminosidade, que provoca absorções diferentes consoante a sua intensidade.....,muito mais poderiamos dizer sobre estas belas flores, que a Ilha da Madeira - Portugal, onde eu vivo tem condições naturais óptimas para a sua produção.....No meu orquidiário devo ter mais de 500 plantas, algumas ainda jovens que foram produzidas em laboratório e na próxima estação devem produzir lindas flores.....Bem haja

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você não se identificou, não colocou o seu nome, por isso não pude colocar essa mensagem pessoal como faço com os demais leitores. Por favor, como eu peço aqui nas regras do fale comigo, nas próximas vezes se identifique, isso torna o nosso contato muito mais agradável.
      Sim, o fósforo é fundamental, tanto que ele está presente na fórmula NPK, se você olhar minha postagem sobre adubação, perceberá que por se tratar apenas desse tema, pude detalhar mais sobre cada micro e macro nutriente. Daria para escrever muito mais, porém como meu público é de iniciante, evito o bombardeio de informações para que eles não achem que cuidar de orquídeas é um bicho de 7 cabeças. E não é, mas com o tempo, você vai adquirindo mais e mais conhecimentos, e aí fica mais fácil ainda.
      Pelo que vi, você é um cultivador de médio porte, esse blog busca atingir principalmente aquelas pessoas que tem poucos exemplares, que não sabem como lidar com suas orquídeas, e de forma o mais simplificada possível, mostro a elas que é possível sim ter orquídeas lindas.
      Verdade... dava para se escrever muito, mas muito mais mesmo, não é à toa que existem livros à venda apenas sobre esse gênero, assim como tem os dos gêneros Vanda, Cattleya, Phalaenospsis...

      Excluir
    2. LINDA RESPOSTA CYNTIA , SOU UMA INICIANTE E REALMENTE O QUE PRECISO É DE INFORMAÇÕES SIMPLES E QUE NÃO ME CONFUNDAM POIS ACHEI NO CAMINHO DAS ORQUIDEAS UM MEIO MARAVILHOSO DE ACALMAR MINHA ANSIEDADE CRÔNICA E DEPRESSÃO SEVERA , MINHA GRATIDÃO AMADA CRIANÇA !!!

      Excluir
  3. Respostas
    1. Fico feliz Alzira. É maravilhoso poder compartilhar nossos conhecimentos!

      Excluir
  4. Oi meu nome é Fabiana.. Tenho uma cymbidiu.. E tenho comigo várias Dúvidas também.. O que me ocorre é o seguinte qd ganhei estava Bela floração Bela floração após o término da floração observei que as raízes estava saindo para fora do vaso então resolvi ir trocar lá pro vaso maior mas isso já faz um ano e nunca mais tive uma floração uso adubação nkp 10 10 10 manutenção a cada 15 dias e além de torta de mamona.. Canela.. Qd tiro uma folha ou outra p cicatrizar.. Mas minha dúvida é fiz errado em colocar em um vaso maior? Isso vai impedir de florir?se a resposta for sim posso trocar de vaso novamente? Aguardo anciosa sua resposta.

    ResponderExcluir
  5. Parabéns, sua matéria é muito esclarecedora, como sempre. So fiquei triste porque tenho duas, "olho de boneca" e moro no interior do Ceará. Como aqui é muito quente e seco,não consigo ver a menor possibilidade de vê las florir... :(

    ResponderExcluir
  6. Gostei muito das informações. Sou uma «muito principiante» e as dicas foram muito úteis para mim.
    Tenho duas Cymbidium, cujos pseudobulbos do meio do vaso secaram. Gostaria de saber porquê; se devo arrancá-los, se estão realmente secos ou em dormência, pois ainda têm uns laivos verdes...
    Muito obrigada
    Helena Máximo, de Lisboa

    ResponderExcluir
  7. Oi Cyntia. Adoro seu blog, parabens. Ganhei um cymbidium a dois anos atras...no ano passado ela nao floriu. Mas este ano ela esta com 2 hastes cheias de botoes. No outono resolvi molha la a noite e a queda de temperatura contribuiram, eu acho. Você sabe me dizer quanto tempo demora para os botoes abrirem? Algumas folhas e pseudobulbos estao secando...devo retira los? Obrigada.

    ResponderExcluir
  8. Oi Cyntia! Moro em Juiz de Fora, MG, e minha melhor distração são minhas plantas as quais cultivo dentro do apartamento (orquídeas, violetas e folhagens) e na escada de acesso ao ar livre (flores, folhagens e hortaliças). Estou neste momento com duas Phalaenopsis prestes a florir e sobre isso tenho que lhe agradecer pelas ótimas dicas, pois de forma simples, porém informativa, vc me ajudou a cuidar delas. Hoje adquiri cinco novos exemplares na XVI Exposição Nacional de orquídeas de JF cujas espécies são novidades pra mim e pelo que já estudei sobre estas, a que está me preocupando é a Cymbidium... ela está florida, e nesta condição ela deve tomar um pouco de sol e ser adubada? Fiquei na dúvida pq me parece que o produtor me disse para nao adubar enquanto está com flores pq podem ser abortadas (mas não me lembro se foi a respeito dela ou de outra especie que comprei). Após a floração acho que está mais tranquilo, seguirei a recomendação da adubação e pensei em deixa-la na escada onde toma sol apenas pela manha (cerca de ate 4hs) e à noite colocar gelo no vaso (o produtor que me que me disse isso). Mais uma vez obrigada pelas dicas, seu blog é o melhor que encontrei. Abraço!

    ResponderExcluir
  9. Ola Cynthia... Meu nome é Renato, moro em Belo Horizonte. Minha cymbidium ficou 2 anos sem florir, pegando o sol pela manhã a partir das 8:00 até as 10:30, o restante do dia sombra e ficando com o aspecto recomendado. No início deste ano ela apresentou 16 hastes que fiquei maravilhado com a quantidade em um vaso de plástico aproximadamente com 50 cm de diâmetro. Mas infelizmente foram abortados todas as hastes com 10 cm de tamanho. Recebeu antes da floração adubos, regas, iluminação como recomendado durante dois anos, mas tive essa decepção no período da floração. A noite, no local da orquídea vem o vento do Sul. Será que teria uma noção do que aconteceu? Isso acontece? Está nascendo novos bulbos, o que posso fazer para evitar novos abortos? Desde já agradeço e aguardo. Atenciosamente, Renato.

    ResponderExcluir