terça-feira, 19 de agosto de 2014

Cattleya intermedia

Conheça detalhes sobre a Cattleya intermedia, espécie que encanta os colecionadores

Cattleya intermedia consta como uma das Cattleya mais apreciadas e cultivadas no Brasil. Motivos para isso não faltam. Além de ser nativa do Sul do País, apresenta uma grande variedade de formas e cores, sendo há décadas alvo contínuo de melhoramentos genéticos.

É encontrada naturalmente desde a Região dos Lagos no Rio de Janeiro, passando pelos estados de São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Vegeta principalmente no litoral, adentrando pelo interior até determinadas altitudes onde o frio impede seu avanço. "Estranhamente, a costa paranaense não foi povoada por esta espécie, o que constitui uma intrigante curiosidade", comentam Pedro e Lígia Holderbaum, proprietários da Flora Holderbaum, de Joinville, SC. 

Carlos Gomes, proprietário do Orquidário Carlos Gomes, de Florianópolis, SC, afirma que no estado gaúcho sua ocorrência chega até as proximidades da fronteira com o Uruguai. "Nessa área, encontrou um habitat perfeito no Banhado do Taim, de onde saíram as melhores plantas e muitas variedades."

O porte da Cattleya intermedia sofre pequenas alterações conforme o habitat. Gomes explica que no litoral, junto à vegetação rasteira das praias, onde há umidade constante e muito calor, atinge quase 50 cm de altura, apresenta folhas duplas ou triplas de até 20 cm de comprimento e abre de nove a dez flores por haste. Já no interior ou em locais com menos umidade, chega a 30 cm de altura e possui de três a cinco flores por haste.

"Embora seja epífita, também pode crescer em pedras nos costões à beira-mar ou mesmo no interior. No Banhado do ­Taim forma verdadeiros jardins suspensos nas árvores, conhecidas como corticeiras, com dezenas de exemplares floridos", adiciona ele.

Esta espécie faz parte das Cattleya bifoliadas e conta com pseudobulbos roliços, robustos e de crescimento rápido. As plantas comercializadas em orquidários emitem em média de uma a sete flores por haste, podendo ou não ser perfumadas.



MAIOR ATRATIVO

Seu florescimento acontece do final do Inverno ao início da Primavera, com auge em setembro. Nesse período são realizadas diversas exposições em sua homenagem, principalmente em Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Os proprietários da Flora Holderbaum ressaltam que as flores da Cattleya intermedia possuem excelente textura, o que lhes confere boa durabilidade, permanecendo abertas por cerca de um mês. "Esta planta tem grandes predicados para hibridação, apresentando nas variedades flamea eaquinii um atrativo muito especial, que é o fato das pétalas possuírem em suas extremidades um intenso colorido, também passado aos seus descendentes. Esse atributo forma elementos multicoloridos que resultam em flores magníficas", dizem.­

Eles justificam que, com o melhoramento genético sofrido pela espécie, os exemplares estão atingindo praticamente a perfeição, pois, ao longo de milhares de cruzamentos, suas flores se tornaram maiores, com melhor textura, mais redondas e de cores bem vibrantes. 

Atualmente, são admitidas cerca de 30 variedades, sendo que as mais comuns são tipoorlata,marginataalbacoeruleaflameasuaveaquinii e concolor. "A orlata e a marginata parecem atrair mais a atenção devido à beleza do labelo. A flamea desperta interesse por ser grande e colorida", salienta Gomes.

Ele acrescenta que uma particularidade é ser a única que possui um amplo número de exemplares com flores pelóricas, ou seja, com três sépalas e três labelos ou pelo menos duas pétalas imitando o labelo. "É uma mutação rara em outras orquídeas, mas acontece em Cattleya intermedia oriundas de cruzamentos encontrados na natureza."

Dentre suas virtudes, também ganha destaque a precocidade, já que alguns seedlings emitem flores em três a quatro anos, enquanto nas demais orquidáceas, como a Laelia purpurata, pode demorar de seis a sete anos. Isso, aliado ao fácil cultivo, faz com que tenha grande aceitação em diferentes países, em especial no Japão, para onde é muito exportada.



MANTENDO A BELEZA

Assim como todas as Cattleya bifoliadas, a Cattleya intermedia aprecia raízes bem arejadas, substrato poroso e boa adubação. 

O profissional de Florianópolis afirma que ela não suporta substrato velho, principalmente xaxim (hoje com comercialização e extração proibidas), sendo este o responsável pelo insucesso do cultivo no passado. Ele recomenda produtos para epífitas, desde que sejam porosos e trocados a cada dois anos se forem orgânicos. Caso sejam inorgânicos, a substituição pode ser feita somente quando a planta estiver saindo do vaso. "Particularmente, utilizo apenas pedra britada."

O casal Holderbaum conta que depois de realizar diversas experiências, a que apresentou mais eficiência nas condições ambientais de Joinville foi a mistura de casca de pinus tratada, carvão e brita. "Uma dica importante para quem cultiva orquídea é desenvolver a observação, pois cada caso é diferente, não existindo uma receita exata para o sucesso". Como a cidade está localizada ao nível do mar e possui boa umidade do ar, esta espécie se adapta muito bem. "Cultivamos nossos exemplares sob ripados ou sombrite de 50% e em local ventilado", completam.

Quando bem adubada, a Cattleya intermedia emite de dois a três pseudobulbos por ano, formando touceiras. Os profissionais orientam aplicar semanalmente ou a cada 15 dias adubo químico de formulação balanceada ou orgânico, como bokashi, a cada três meses. Porém, o procedimento deve ser interrompido durante a floração.

Para garantir seu pleno desenvolvimento, é preciso dar atenção à rega, fornecendo água sempre que o substrato secar, e à luminosidade, mantendo sombreamento máximo de 70%. Também é necessário assegurar umidade ambiente acima de 60%.

Os proprietários da Flora Holderbaum explicam que essa planta aceita bem divisões e replantes. "O momento mais propício é a partir de um mês após o término da florada, quando surgem novos brotos e novas raízes. O vaso deve ter uma abertura de 4 a 5 cm maior do que a muda plantada, que precisa ficar bem fixada, nunca solta ou balançando."

Para minimizar o ataque de fungos, é essencial fornecer ventilação e luminosidade adequadas."Se houver necessidade, basta aplicar fungicida, tanto de contato quanto sistêmico, mas sempre com orientação técnica, porque de nada adianta usá-lo sem saber qual é o fungo", orienta Gomes.

Como toda aglomeração de plantas favorece o aparecimento de pragas, os especialistas de Joinville aconselham um acompanhamento visual quando a coleção não é numerosa, retirando para tratamento o exemplar que apresentar infestação. "Cultivar Cattleya intermedia propicia um grande prazer, porque a cada abertura da primeira flor de um seedling novas surpresas poderão surgir", concluem.


Texto: Matéria da revista "Como Cultivar Orquídeas", da Editora casa dois, ed. 52.
Fotos das orquídeas: orkidaro - Carlos Keller

8 comentários:

  1. Boa tarde.

    Meu nome é Gabriel Lima e sou de Passo Fundo/RS. Estou entrando agora no ramo das orquídeas e desenvolvendo um programa para catalogar orquídeas. Estou pedindo a ajuda dos blogueiros do ramo para criar o máximo de opões no sistema para ajudar os orquidófilos.

    Desde já agradeço se puder visitar meu blog. www.projetogerenteorquideas.blogspot.com.br

    Obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gabriel, muito interessante a sua ideia!
      Estou na torcida e se puder ajudar, comentarei sempre!
      Mantenha-nos atualizados! :)
      Boa sorte!

      Excluir
  2. Nao consegui acessar o blog do Gabriel. Vc tem algum outro endereço dele?
    Obrigado

    ResponderExcluir
  3. Olá Cynthia Blanco, em primeiro lugar, gostaria de parabenizá-la pelo blog e agradecê-la pelas dicas, que ajudam muitíssimo. A minha dúvida é a seguinte: comprei uma orquídea cattleya e ela estava com duas lindas flores, mas fiquei dois dias fora de casa, e deixei a minha orquídea guardada dentro de casa. No dia que cheguei as duas flores estavam murchas... Voltei a orquídea para fora de casa, mas mesmo assim as flores não se recuperaram e foram secando, daí eu as cortei... E agora, o que acontecerá com a minha orquídea, ela vai dar novas flores??? O que devo fazer???

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo carinho!
      Sim, ela dará flores no próximo ano.
      Algumas Orquídeas tem folhas que duram poucos dias, provavelmente é o caso da sua.
      Não fique triste. É só cuidar direitinho!
      Ano que vem, uns 3 meses antes dessa época, você perceberá que ela entrou no período da floração.
      Dá uma olhada no meu instagram(link do lado direito - lá em cima), eu tenho um monte que está assim. Acabei de postar uma foto lá.

      Bjs, Cynthia

      Excluir
  4. Boa tarde cynthia meu nome é jessica tenho uma cattleya e ela estava com duas empatas com dois botões cada porém os botões apodreceram antes de florescer, o que será que aconteceu eu super preocupada se puder me responder agradeço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jessica, difícil saber. Pode ter sido mudança brusca do clima. Geralmente é isso.
      Teve algum dia muito quente antes disso acontecer?
      Bjs, Cynthia

      Excluir